Vazios das Estações

por-do-sol.jpg

A chegada do Outuno anuncia o cair das folhas, é o prenúncio de que ventos fortes estão chegando e que não há melhor momento do que esse para se ter raízes fundamentadas na terra firme. Pois bem, já chegou o Inverno. Período difícil, de monotonia e sem o brilho do Sol. É quando há um cuidado especial para que o frio não congele a seiva do caule, nem que as geadas possam consumir o restante existente. A escuridão não se demora a dominar e as noites são longas.

Que venha a tão esperada Primavera, quando a temperatura começa a se elevar e a esperança renasce (pois ela não morre) com o desabrochar das flores e o colorido que a natureza imprime no quadro da vida. Ah! Que lindo é o Verão, o Sol acorda radiante por toda a terra e aquece os vegetais. É hora de produzir o alimento para preservar o verde, para dar os frutos. Alegria!!! Noites são passageiras, ligeiras. 

Estações do ano, estações da vida. Assemelham-se em muitos pontos, inclusive nos vazios existentes entre elas. Sim, pois, não há regularidade entre os períodos destacados da criação. As árvores geram uma expectativa que a Primavera e o Verão sejam estabelecidas em sua plenitude, porém há dias que se comparam com um Outuno e um Inverno, mesmo não estando em sua época. Recordo-me de uma frase que meu colega de serviço sempre cita: “A árvore prefere a calmaria, mas o vento não cessa”.

E vice-versa. Nos mais severos tempos gélidos e obscuros, surge o calor do Astro Celeste, o céu se abre mostrando sua cor e esplendor, um firmamento estrelado e límpido, torrentes de chuvas regam o solo castigado. Há alívio para a criatura.

A arte de viver está em saber lidar com as diversas circunstâncias na qual enfrentamos. Muito se ouve frases como: “Jesus preenche o seu vazio”. Pois bem, para desespero dos crentes, afirmo que não concordo com esse clichê. “Buracos” sempre existirão em nossas vidas e nunca serão preenchidos, pelo menos até quando eu fizer parte desse corpo incorruptível. Vazios humanos estão ligados diretamente com o Pecado (a natureza pecaminosa) porém, mesmo que estabeleçamos um relacionamento com Deus e o seguimos por toda a nossa caminhada, ainda não conseguiremos ser “pessoas completas”.

A Bíblia nos diz isso em Gênesis quando relata que Deus criou Adão e Eva à sua imagem e semelhança, mas após a transgressão e a “entrada” do Pecado na vida humana (Gênesis 6), o casal teve filhos e filhas conforme a imagem do “homem caído” e não mais a divina. O vaso foi derrubado e se quebrou, o oleiro o consertou, porém ainda há rachaduras, marcas. Lembro-me de um profeta que se escondeu na caverna com medo e do Profeta que sentiu-se desamparado numa cruz.

Para tentar “ser cheio”, buscamos compensar (não discuto se isso é errado ou não) com viagens, amizades, dinheiro, fama, porém estas coisas trazem somente alegrias e não a Felicidade. Alegria são momentos passageiros de felicidade, mas não nos fazem felizes. Alguns até tentam isso através da religião. Que frustração!!! A busca desenfreada nos traz fadiga.       

Servir a Deus não preenche as lacunas existenciais da vida, porém nos dá uma nova perspectiva dela. Apesar de possuir vazios na vida, não se tem uma vida vazia. Ela é cheia de propósitos e objetivos diante de uma nova cosmovisão. Temos uma missão em lutar pela justiça, em demonstrar o amor, em pregar e ser testemunhas da Palavra que nos libertou.

Além disso, a vida cristã é sinônimo de Esperança (Olha a Primavera). De crer que haverão dias eternos, que a morte será tragada pela vida, que o Amor encobrirá todo o Pecado. A Estrela da manhã virá e reinará para todo o sempre. A boca do Senhor diz: “Porque há esperança para a árvore que, se for cortada, ainda se renovará, e não cessarão os seus renovos. Se envelhecer na terra a sua raiz, e o seu tronco morrer no pó, ao cheiro das águas brotará, e dará ramos como uma planta.” Jó 14:7-9.

Enquanto aguardamos esse novo tempo, clamamos ao Mestre da vida para que nos ajude a conviver com os Invernos e Outonos, conviver com os vazios das estações. Como é difícil!!!

Anúncios

2 comentários sobre “Vazios das Estações

  1. Fala mano…

    Muito bom. Vc escreveu uma frase brilhante: “Apesar de possuir vazios na vida, não se tem uma vida vazia”. Lindo.

    Temos falta de respostas para muitas perguntas. Isso deixa algumas coisas sem explicação, vazias.

    Discordo que o vazio seja culpa do pecado. Acho que o pecado deixa respondido algumas perguntas, e não que rouba respostas.

    A condição de vazio, penso, não tem a ver com “natureza caída”. E penso também que todos nascem conforme a imagem e semelhança de Deus, santos e puros, independente de Adão e Eva.

    O vazio, na minha análise, tem mais a ver com nossa limitação existencial. A Totalidade, o Absoluto, não cabem em nossas mentes, nem dentro da razão moderna, da qual somos filhos.

    Muitas vezes procuramos sentido cartesiano para as coisas, e isso é um grave erro. Inclusive, talvez alguns vazios são devido a não compreensão da limitação humana ante a Soberania divina.

    Nossa leitura do mundo, da realidade, ou cosmo-visão, nunca compreenderá todas as coisas, porque todas as coisas não cabem na nossa compreensão. Como disse Kierkgaard: “Não reconhecer os limites da razão é irracional”.

    Existe um campo de mistério na criação…uma dimensão mística. Precisamos aprender a lidar com ela e confiar no amor de Deus, pois só resta a esperança de que um dia compreenderemos os vazios, não há nenhuma certeza.

    Abraço

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s