Razões pelas quais votaria em Fernando Haddad

Imagem Extraída de: http://www.direito.ufg.br/pages/35709

Por Marcio Uno

Dia 28 de outubro de 2012, na cidade de São Paulo, será realizado o segundo turno para a escolha do novo gestor de uma das maiores metrópoles do mundo. Mais uma vez temos o famoso embate polarizado entre PSDB x PT, sendo este representado por Fernando Haddad e, aquele, pelo tucano José Serra.

Não tenho parente envolvido na política, não sou petista, nem sequer filiado a nenhum partido. Esclareço que, apesar de paulistano, não voto em São Paulo e mesmo se votasse, minha escolha para o primeiro turno seria o deputado estadual Carlos Giannazi (PSOL). Enfim, embora não sendo a primeira opção, passo para minhas considerações quanto ao apoio a Fernando Haddad.

Apesar das hipocrisias e decepções políticas do PT, nos últimos anos, quanto ao envolvimento em práticas que antes eram denunciadas pelos próprios petistas, como esquemas ilegais, mensalão, favorecimento aos banqueiros e alianças políticas com históricos adversários – PP de Paulo Maluf –, creio que o Partido dos Trabalhadores ainda consegue ser o mais progressista, mantém – mesmo diante de desgastes – resquícios da ideologia política pelas lutas das bases, de classes e pelo desenvolvimento social e estabelece um canal de comunicação mais aberto e próximo à população.

Não minimizo nem sou negligente quanto aos problemas éticos que o partido enfrenta. O julgamento do mensalão, ao contrário da bizarrice dita por Lula, tem uma grande importância na história política do Brasil e deve ser acompanhado pelos cidadãos desta nação. Porém, se a frase citada pelo ex-presidente da República “O povo não está preocupado com isso. Está preocupado em saber se o Palmeiras vai cair e se o Haddad vai ganhar” é uma infâmia, utilizar-se deste argumento para atacar o candidato Haddad sabendo que tramita no Supremo Tribunal Federal o protótipo do escândalo petista, mais conhecido como o “mensalão mineiro” ou “valerioduto tucano”, e que há a denúncia intitulada de “privataria tucana”, é querer lançar pedra na prostituta sendo acusado de legalista fariseu.

Votaria em Haddad devido ao histórico das gestões da prefeitura de São Paulo na última década. É inegável o avanço que a cidade teve durante o comando de Marta Suplicy (PT). Apesar das críticas quanto à criação da taxa de iluminação e lixo, a alegação da oposição de superfaturamento nas obras dos túneis da Rebouças e Cidade Jardim (inquérito arquivado pelo Ministério Público) e o suposto descumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal no final do mandato da prefeita (ação julgada improcedente pelo Supremo Tribunal Federal), ainda nos debates políticos atuais são citados o legado na educação e transporte como os CEU´s (Centros Educacionais Unificados), corredores de ônibus e o Bilhete Único.

De igual modo, cabe relembrar outras conquistas como a extinção das administrações regionais e instituição das subprefeituras, ampliação do controle social com a introdução do orçamento participativo e criação e fortalecimento dos conselhos municipais, implantação do Programa Atende e dos Telecentros, expansão da área verde e de parques e incentivo à propagação de atividades educacionais e culturais, sobretudo na periferia de São Paulo, mas que foi trucidada por José Serra quando assumiu a cidade paulistana.

O Partido Socialismo e Liberdade, após Plínio de Arruda Sampaio (PSOL) criticar Haddad, se posicionou optando em não apoiar nenhum dos candidatos e censurou ambos. Entretanto, o documento do diretório municipal do PSOL, definiu, com propriedade, as gestões pós-Marta: “Rejeitamos veementemente a candidatura de José Serra, responsável direto pelos problemas sociais que a cidade vive. As gestões Serra-Kassab foram um desastre para os trabalhadores e para o povo pobre, reduziram direitos sociais, precarizaram os serviços públicos e governaram diretamente para as elites da cidade, aprofundando o abismo social entre ricos e pobres. Não há qualquer perspectiva de diálogo entre o Psol e o projeto de Serra”.

Enquanto Serra dizia que programa do governo é algo insignificante, Haddad seria o único a apresentar o planejamento no primeiro turno. Além do “mais do mesmo” como a criação de creches e hospitais, melhoria e expansão do transporte público, urbanização de favelas, segurança pública, o plano apresenta propostas inovadoras e revolucionárias para a gestão estratégica da administração pública paulistana tais como o complexo programa “Arco do Futuro”, “Bilhete Único Mensal”, “Rede Hora Certa”, “Criação de Novas Centralidades”, “Mais Educação”, centros culturais e olímpicos, “Renda Básica de Cidadania”, descentralização das subprefeituras. Se comparadas, as do projeto de Serra divulgadas recentemente são rasas e costumeiras.

Outra questão de imensa importância é o mapa de votações do primeiro confronto. José Serra ganhou nos bairros centralizados, ao passo que Haddad foi vitorioso nos arredores da cidade. Ouvi um comentário ridículo, preconceituoso e simplista dizendo que a periferia votava no PT devido à ignorância dos pobres. Paupérrima é esta declaração. Os maiores alvos das políticas públicas não estão situados no bairro do Jardim Paulista (onde Serra teve 67 % dos votos válidos), e sim na região de Parelheiros (local onde o petista conseguiu 47 % dos votos válidos). Contrapondo ao discurso da elite, acredito que, em geral, o povo sabe muito bem o que quer, pois são estes os maiores beneficiados ou prejudicados por tal escolha. Não tenho receio de tecer comentário sobre os subúrbios de São Paulo, uma vez que foi onde habitei durante minha vida.

O tucano sempre gosta de entrar em debates morais quando o assunto é campanha eleitoral. Quem não se lembra da eleição presidencial de 2010 quando o PSDB disseminou a ideia que Dilma Rousseff (PT) seria incentivadora da legalização do aborto e intitulada de “matadora de criancinhas”? Agora, é a vez de Fernando Haddad ser associado como o “pai do kit-gay”, porém até Fernando Henrique Cardoso (PSDB) mostrou grande descontentamento com os rumos do conservadorismo, resistência e discussões infrutíferas de José Serra.

E quem sempre endossa os argumentos acima mencionados é o pastor Silas Malafaia (RJ). Se o posicionamento do sacerdote, em 2010, foi garantir “votos evangélicos” para Serra e tentar denegrir Dilma e Marina Silva (PV), agora tenta “arrebentar” com a campanha petista. Todavia, após a divulgação de que, em 2009, o ex-governador de São Paulo elaborou uma “cartilha gay” com 80 % do conteúdo idêntico do “kit-gay” e ambos os materiais foram criados pela mesma ONG, Serra e Malafaia cometeram um “suicídio eleitoral” e nem sequer conseguiram sustentar um discurso ético, moral e coerente que tanto prezam.

É óbvio que, ideologia, históricos, propostas e consistências não garantem o êxito da governabilidade, porém dão sinais esperançosos de que assim seja. Iria à urna consciente em entregar meu voto ao número 13. Decidiria diante dos apontamentos anteriores e de saber que, assim como eu, ainda há pessoas que acreditam na mudança da cidade, como Marilena Chauí, Leonardo Boff, Luiza Erundina e, é claro, o povo da periferia de São Paulo.

Anúncios

3 comentários sobre “Razões pelas quais votaria em Fernando Haddad

  1. Marcito,

    Olá!
    Texto interessante… Parabéns!
    Meu voto, como você já sabe, será para o Haddad.
    Não se trata de um cheque em branco, é claro.
    Mas acredito que com o petista o diálogo será mais fácil.
    Além de ser uma candidatura menos conservadora que a do seu adversário.
    Como já disse em algumas ocasiões: Haddad é o meu melhor inimigo.
    Obrigado!

    Abraços,
    Leo

  2. Adailson dadá do Nascimento

    Muito boa reflexão, acho que sintetisou tudo diretinho!
    se meu titulo fosse de sampa tb votaria nele.
    Parabens pela iniciativa e resultado do texto muito claro e bem escrito.
    abraço!

  3. Malu Rizardi

    Oi, Márcio! Também achei muito boa a sua análise. Resgata informações muito pertinentes e faz ótimas ponderações. O Giannazi seria o meu candidato, também. Digo que seria porque acabou não sendo. Não posso dizer que eu tenha “medo” do PT assumir o poder aqui em SP, mas de fato não gostaria. Para mim, o episódio do mensalão só serviu para escancarar o quanto o partido pratica a demagogia(não ignoro que não é exclusividade dele). O Lula gostava muito de falar que vivemos em um “Estado de direito”, quando, “secretamente” (ele e) o PT tentava reunir os poderes Executivo e Legislativo em suas mãos, não respeitando a divisão de poderes tão necessária para a garantia da democracia e do tal “Estado de direito”. Quanto ao José Dirceu, tenho observado a sua atuação desde o começo do PT (embora não profundamente), e já sabia que ele gosta muito do “poder” (é só ver a sua trajetória desde os tempos de estudante).
    Por conta da minha formação, estudei alguns (muitos) estragos que o Totalitarismo causa a pessoas (inclusive aos “pobres”, que “defendem” e “doutrinam” ao mesmo tempo), comunidades, nações e países. A democracia pode não ser um sistema perfeito, nem mesmo um bom sistema, mas acho que ainda não inventaram nada melhor. Até pondero que o PT talvez precise de tempo e mais oportunidades para amadurecer. Acho que o governo federal está possibilitando esse amadurecimento. Na minha avaliação, o poder que o partido já dispõe, articula e manipula (como todos os que chegam ao poder e se esforçam para não deixá-lo “nunca” mais) está de bom tamanho.
    Vale lembrar que, antes da atual crise econômica-financeira-capitalista, a Europa era quase toda social-democrata, e o continente vivia um período de tranquilidade, quando os seus povos desfrutavam do Estado de Bem Estar Social e viviam com a dignidade que muitos aspiram (inclusive eu, para o nosso povo – portanto, para você e para mim também).
    Abraços

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s